Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Algo maravilhoso

15.06.18

Algo Maravilhoso (Sequels, #2)

Gostei do titulo deste livro porque se enquadra perfeitamente na minha opinião sobre ele. Esta história, e sobretudo a sua protagonista, são um doce.

 

Alessandra cresceu como uma maria rapaz e percebe mais de pescar e esgrima do que de etiqueta. O seu pai ausente não lhe deixou nada e ela faz o que pode para tomar conta da mãe melancólica, o tio alcoolicamente divertido e dois criados já idosos (um meio cego e o outro meio surdo). Até que um dia salva um duque de ser assassinado e um conjunto de circunstâncias vai transformá-la em duquesa. Até que o marido desaparece e Alessandra é rejeitada pelo ambiente natural dele. Ele volta, mas Alessandra já não é a menina ingénua, mas a sensação da alta sociedade.

 

Alessandra é sem dúvida cativante. A sua simplicidade e alegria na primeira fase da história são contagiantes e o amadurecimento ao logo da história é cativante. Da menina apaixonada a mulher desiludida, ela torna-se forte à sua maneira e o jogo do gato e do rato que incentiva com Jordan é fascinante e muito divertido. Isto para não falar dos criados dela, do tio e da avô de Jordan (tudo personagens interessantes).

 

Gostei mesmo, li este livro com um sorriso nos lábios. 

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18

Escândalos em Família

O nome é certo, toda esta história gira em torno de uma família e muita polémica. Após a morte súbita do marido, Alicia decide voltar à terra onde nasce, Holly Wood com os dois filhos, Nat e Darcie. Mas esta nova fase da sua vida não será fácil, pois em Holly Wood vive também a sua cunhada, Sabrina, que foi amante do marido de Alicia.

 

Este livro é na prática uma grande telenovela. Sabrina é a má da fita. Apesar de ser ela e a filha que dão cor ao livro (que seria aborrecido sem elas) tive pena de ela ser demasiado quadrada, ser desenhada apenas como a má. Não gosto de personagens que apenas têm uma vertente, todos somos bonzinhos e mauzinhos e as obsessões de Sabrina e a forma como foi descrita, tive pena, podia lhe ter sido dada toda uma outra dimensão. Ao contrário da mãe, Anabelle acaba por ter dois lados: a adolescente rebelde devido ás crises da mãe que apenas está em busca de atenção e ao mesmo tempo uma Anabelle frágil e que tem de lidar com as consequências do que fez. Quanto a toda a temática que se torna central a partir de meio livro (a violação) e acaba por lhe dar um novo fôlego, acaba por ser bem conseguida. É difícil para mim, enquanto leitora, saber quem está certo. Anabelle, a vitima, que dormia com tudo o que mexia, assediava o seu violador e depois aparece como vitima. Ou Nat, o menino bonzinho que se passou da cabeça com o que Anabelle lhe disse ao ponto de a violar. O fim acaba por ser agridoce, mas era o fim esperado, em que todos têm razão e todos ficam bem.

 

Até agora falei de quase todas as personagens do livro menos a protagonista... engraçado não é? Alicia é a típica boazinha a quem acontece tudo de mau. Sem sal completamente. As partes dela foram lidas na diagonal e ainda mais na diagonal o seu romance com o Cameron.

 

Um livro interessante, bastante novelesco, mas que prende do inicio ao fim. Foi uma leitura semi compulsiva (exceto a parte da Alicia).

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:10

Memórias de uma Cortesã

Tully foi uma jovem com uma infância difícil. A mãe morreu nova, o pai tinha todos os vícios. Este caminho leva-a a tornar-se uma das mulheres mais desejadas de  Londres no século XVIII. Mas acaba perto da forca por assassinato. É ai que ela decide escrever as suas memórias e como foi de prostituta de luxo ao cadafalso. Com muito sexo à mistura e magia.

 

Para um livro que se descreve como uma odisseia sexual estava de certo modo à espera de "pior". Ele tem sexo com fartura sim, de todos os gostos e feitios, heterossexual, homossexual, ménages, violações... o que me surpreendeu mais foi uma prostituta acabar por ter "poucos" parceiros. Tully dorme, no âmbito da sua profissão, com três homens durante o livro. Fiquei surpreendida, apenas isso. As cenas de sexo também não são demasiado descritivas, um caso que tinha receio neste livro é que fosse mais sobre sexo do que sobre a história que a Tully queria contar e para meu alivio isso não se verificou.

 

Tully tem uma personalidade interessante e uma curiosidade sexual precoce. Penso que a maneira livre como encara a descoberta da sua sexualidade se deve ao não ter qualquer tipo de educação religiosa e, ao ser pobre, a sociedade da altura não lhe impusesse que casasse virgem de forma tão veemente. Acaba por ser a magia que vai chamar a atenção de um mágico em decadência que a levará, de certo modo, a um bordel gourmet, onde Tully acaba por se tornar cortesã e mágica. A parte da magia sempre me pareceu meio deslocada do resto da história, talvez porque nunca tinha lido um romance deste género, nesta época, com magia. A magia também acaba de certa forma por elevar o estatuto de Tully e torná-la na mulher mais desejada de Londres. 

 

É um livro diferente, interessante, de certo modo surpreendente e que gostei. 

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03

Eleanor & Park

25.05.18

Eleanor & Park

Dois miúdos desajustados, ele meio coreano, ela conhecida como a "ruiva gorda" acabam por ser colegas de autocarro. A pouco e pouco aproximam-se e nasce uma história de amor improvável.

 

É uma história fofa e que faz reviver o primeiro amor, em que cada toque é poesia. Tem algum drama, nomeadamente na família de Eleanor e do racismo à volta dos protagonistas (embora seja um critica habitual deste livro ser considerado "pouco racista" para os anos 80 naquela zona do EUA). Tive pena do final, demasiado aberto, mas ao mesmo tempo percebi porque foi assim, afinal foi realista, apenas gostava de saber o que aconteceu ao resto da família da Eleanor. Outras coisas que me perturbaram: acho que a relação entre eles teve uma mudança demasiado bruta: de "ehhh a miúda/miúdo esquisito sentou-se a meu lado" para um "amo-te" demasiado rápido, a amizade deles antes do amor (porque cada amor (não paixão) tem sempre uma base de amizade). Faltou esse passo, eu senti falta dele pelo menos. Mas isto não tira valor ao livro, é uma leitura que vale a pena, é bom sentir como é ter 16 anos e estar apaixonado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03

Ligeiramente Indecente

 

Batalha de Warteloo, um moço cai do cavalo e é salvo por uma moça que em conjunto com as suas quatro amigas prostitutas o vão salvar. É óbvio que apesar de viver com prostitutas a moça é uma lady... que nos livrem de ter uma protagonista que não seja uma lady. Ele recupera mas não tem memória. Entram num plano maluco de ele fingir ser marido dela para obterem uma herança.

 

Bem, é igual aos outros da saga, e se até a sinopse poderia parecer qualquer coisa que não iria ser aborrecida, deseganem-se porque é tão cliché e tão igual aos outros. Se calhar eu não gosto mesmo é da forma como a autora escreve não sei. Estive para o largar, mas não o fiz, embora tenha sido lido na diagonal.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:23

Edén

12.05.18

Edén

A história por detrás das páginas deste livro parecia ser a leitura diferente que precisava nestes dias. Mergulhar no Brasil, um pais de tantos contrastes e seguir alguém que quer "limpar" o mundo dos corruptos e afins, tinha tudo para me cativar. Mistério, uma heroína jovem e aventureira, uma cultura de contrastes profundos, conhecer o Brasil dos ricos e sobretudo, dos pobres. 

 

Mika é uma filha da crise, daquela geração que cresceu com tudo mas que quando precisou de trabalhar, não havia emprego para ela em Espanha. Sendo o Brasil um economia emergente, resolveu por lá tentar a sua sorte. Mas quando aterra no outro lado do Atlântico, misteriosos homicídios começam a acontecer, associados aos eventos descritos no livro do Génesis da Bíblia. E ela torna-se uma das principais suspeitas da policia.

 

Foi um livro que me custou muito a ler. Fui insistindo porque estava sempre à espera que aparecesse o tal momento que me ia agarrar até ao fim. Mostra a realidade do Brasil, das favelas às tribos indígenas e aos círculos de corrupção, aliados a homicídio messiânicos, tinha tudo tudo tudo para ser interessante e acho que isso foi o que frustrou mais. Não gostar do livro, não querer saber a causa de tudo, estar-me literalmente "a borrifar" para a Mika e companhia. Não sei porque, terá sido a escrita, a falta de ligação com as personagens, demasiadas descrições? Não sei explicar. Acabei por chegar à página 248 e parar. Li o último capitulo só porque sim, mas fiquei com o mesmo sentimento. Que não tinha perdido nada. Foi frustrante, acho que é a melhor maneira de descrever esta leitura. Frustrante porque criou-me expetativas que não se cumpriram e por sentir que podia ter sido uma boa história mas não foi.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54

Begin

24.04.18

 Ás vezes a vida prega partidas que fazem questionar tudo sobre a forma como vivemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

Winter

22.04.18

Winter (The Lunar Chronicles, #4)

 

Com cerca de 800 páginas o último livro das Crónicas Lunares é o maior da série e este peso acaba por se refletir nos seus aspetos positivos e negativos. Esta que deveria ser a história de Winter (a Branca de Neve, que não é das minhas princesas da Disney preferidas sequer, mas que já o segundo retelling dela que leio no espaço de um mês) acaba por ser um atar de pontas de todas as histórias iniciadas em todos os livros, dando assim menos protagonismo a uma protagonista que tinha mais para dar (a Winter era refrescante depois da deslocada Cinder, da destemida Scarlet ou da tímida Cress e até refrescante na maioria das heroínas dos romances). O seu par, Jacin, vivia apenas à sua órbita, quase não criado laços com os restantes membros, tudo o que fez por eles foi apenas para no fim proteger ou beneficiar Winter, o que para mim o tornou ligeiramente plano, pouco denso e desinteressante no geral. 

 

Quanto aos outros finais, tudo aos pares e fofinhos, a Iko acabava por ser refrescante porque era a única que esteve presente em todos os livros sem estar emparelhada com ninguém de maneira tão óbvia. Por estranho que seja admitir, o casalinho preferido acabou por ser a Cinder e o Kai, apesar da má impressão que ele me deixou no primeiro livro, acho que foram as personagens que mais evoluíram e cresceram. Quanto ao final de Levana esperava muito mais...sério, aquela cena parecia um loop infinito de ter um amigo em risco, salvar um amigo e vinha outro amigo e ficava em risco! Alias, um dos pecados capitais deste livro foram os loops, durante a revolução, havia sempre alguém nas mãos da Levana, bem como demasiados protagonistas. É claro que tudo isto não tirou a magia ao livro de atar as pontas e dar um final satisfatório a esta saga, com muitas reviravoltas e falecimentos pelo caminho.

 

E no fim, por que raio este livro ainda não existe em português, quando os outros três estão disponíveis (e o último saiu em 2015)?

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:11

Cress

13.04.18

Cress (Crónicas Lunares, #3)

Imaginando uma Rapunzel que em vez de uma torre tem um satélite e é um hacker, em que o equivalente de mãe (ou madrasta - não me lembro como é na história original) é uma taumaturga que apenas a usa em beneficio próprio. E o ladrão que liberta Cress do satélite, é realmente um ladrão sarcástico e com sentido de humor. A isto tudo junta-se a moça que todos querem prender do primeiro livro, o big bad wolf do segundo livro (que vai ter uma situação complicada com a Scarlet) e mais uns quantos. E um casamento real, uma rainha má e outras quantas revelações.

 

Dos três, acho que este foi o que gostei menos. Sim, a Cress era uma fofa e gostei muito dela, a Cinder e o Kai cresceram (e após quase dois livros separados reencontram-se no final deste) e há uma grande quantidade de revelações, ao mesmo tempo que é apresentada um perspetiva diferente, este livro centra-se mais no lado lunar. Coisa que não gostei... e esta parte não é popular, foi o Thorne. Eu gosto um bocadinho dele...mas... acho-o demasiado fabricado. Já tinha achado no segundo livro e neste achei ainda mais. Ele tem piada mas não me me convence.

 

Como o final para variar ficou em mais um limbo vou já pegar no último livro, Winter, conhecer uma princesa e saber como terminam todas as outras histórias (espero que a Levana tenha um fim relacionado com a Lectumose - a peste lá do sitio).

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:50

Uma paixão

07.04.18

Uma Paixão

 

Bill Thigpen é um workaholic criador de uma telenovela de grande sucesso que vê como um filho. A novela fê-lo passar por um divórcio e tornou-o um pai ausente, apesar de os filhos serem tudo para ele. Adrian Townshed tinha um casamento perfeito e uma profissão que não sabe se quer. Quando fica grávida o marido deixa-a e é nesta fase que conhece Bill e se envolve com ele. E o resto são favas contadas.

 

Esta história tem algumas partes interessantes, embora pobremente escritas. A mente de um workaholic, dois divórcios e os bastidores de uma telenovela. Mas as personagens são aborrecidas e muito planas: ou são más, ou são boas. E quando começa o romance entre o Bill e a Adrian o meu interessa acabou mesmo por desaparecer e parei ai a leitura do livro.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:44



Disclaimer

Todas as imagens de livros publicadas são retiradas do site das editoras ou dos próprios autores. A imagem de fundo pode ser encontrada aqui.

Classificação

Nem consegui terminar
Não gostei
Ok
Bom
Amei

Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


subscrever feeds


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.