Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



The Greek Myths: The Complete and Definitive Edition

Quando não estou a ler romances lamechas gosto de história. E a mitologia no geral sempre me interessou, seja a grega, a romana ou a nórdica. Este livro expõe alguns dos mitos mais conhecidos do mundo grego antigo ao mesmo tempo que inclui explicações sobre esses mesmo mitos, o seu significado e a equivalência com a cultura, as revoltas e as conquistas que existiram no mundo helénico e arredores.

 

Coisas boas: gostei de conhecer os diversos mitos, alguns novos e umas quantas personagens. Conhecia mal por exemplo, a história de Teseu e de outros quantos filhos de deuses menos conhecidos, mas no geral conhecia a maioria, principalmente na segunda parte que aborda por exemplo, a história de Hércules e a guerra de Troia. Gostei de conhecer as histórias por detrás dos mitos, como uma cultura em que a mulher era dominante passou a ser dominada pelo homem e como isso teve repercussão nestas lendas.

 

Coisas menos boas: talvez fosse um livro demasiado técnico para um leiga em história como eu, que não conhece profundamente o período, apenas superficialmente e definitivamente nunca estudou história a nível académico. Ás vezes também era confuso os nomes: algumas histórias tinham personagens com os mesmos nomes ou com diversos nomes para a mesma personagem, havia muita árvore genealógica e isso por vezes deixava-me perdida. As explicações por detrás dos mitos tornaram-se a certo ponto repetitivas (a passagem da cultura feminina para masculina aparecia em quase todas).

 

Um livro interessante para a minha cultura mitológica, mas que teria sido mais fácil se tivesse uma linguagem mais acessível para quem não domina história ou o período em questão.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:22

Heartless

11.01.19

Heartless

Ninguém escreve novas versões de contos de fadas como a Marissa Meyer. Neste aqui a protagonista não é a boazinha, mas a má. A Rainha de Copas que tanto queria cortar a cabeça a toda a gente. O desafio aqui foi transformar uma rapariga simples que adorava cozinhar e era amiga de toda a gente numa rainha sem coração. 

 

Catherine é filha de um marquês e uma das moças mais desejadas no reino de Copas. É popular, toda a gente gosta dela e o rei quer fazer dela sua noiva. Mas o sonho de Catherine é abrir uma pastelaria e dedicar-se inteiramente a fazer sobremesas deliciosas. O destino, esse malvado, fará com que ela desenvolva uma relação complexa com o bobo da corte (joker) ao mesmo tempo que é cortejada pelo rei (que não quer).

 

A autora conseguiu uma coisa que para mim resume o sucesso da obra: conseguiu fazer-me desejar que a Catherine tivesse o seu final feliz e fazer-me pensar como aquela moça doce ia virar tão má. Ao mesmo tempo introduz o passado de outras personagens de Alice no Pais das Maravilhas, como o coelho ou o chapeleiro maluco (que aqui não era maluco) e como algumas delas se tornaram assim. A reviravolta torna toda a história para mim muito mais interessante, pois até ali, apesar de gostar de Catherine, o livro estava bastante morno.

 

No final, não chega ao nível de outros livros da autora, mas é uma história que não deixa de ser interessante.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10

Para todo o sempre (Nantucket Brides, #2)

O cenário inclui um primeiro livro que não li (e não me pareceu essencial, só aquela sensação de estar numa sala, alguém dizer uma piada e todos perceberem menos eu em alguns casos), casamentos e organização de casamentos, viagens no tempo, príncipes gémeos e uma profecia/tradição de quem souber distinguir os gémeos é o verdadeiro amor de um deles.

 

Toby, a amiga da noiva/organizadora do casamento conhece Graydon e há toda uma química. Mas ele é um príncipe herdeiro de um país algures no mundo que ninguém conhece e tem uma noiva em potencial. Para tirar uma férias (e conhecer melhor a Toby) troca com o irmão. Pelo meio percebesse que um príncipe percebe de tarefas domésticas e organização de casamentos. E entretanto viajam no tempo, reencarnam em outras pessoas e tentam mudar o destino das suas reencarnações do passado?

 

A história da Toby e do Graydon é um bocadinho sem sal apesar de todos os temas apresentados. É lenta e toda aquela coisa de uau, o príncipe sabe fazer o pequeno-almoço/regar plantas/... fazia-me revirar os olhos. A história do irmão gémeo do Graydon, Rory e a ex-futura noiva de Graydon pareceu-me bem mais interessante, tenho a dizer. E quando estava a bocejar, bam, começam as viagens no tempo. A primeira impressão foi mesmo "de onde raio isto apareceu e o que tem a ver com tudo o resto?". Mas pronto, contribuiu para animar um bocadinho as coisas e era bem mais interessante que a linha principal.

 

No fim, fiquei surpreendida porque o fim não foi o que estava à espera (ele abdicar para ficar com ela) e uma nota positiva por isso, mas no geral, estive várias vezes para parar a leitura deste aqui. A história tem umas quantas reviravoltas e uma mistura tão estranha que acabou por me fazer continuar a ler, mas no geral sinto que não gostei, porque acho que preferia cada linha no seu lugar (ou livro neste caso).

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35

Anexos

14.12.18

Anexos

Esta é uma história passada na viragem do século XX em que o maravilhoso mundo da Internet começa a ser descoberto e os e-mails são a loucura. Um jornal decide instalar um programa que controla os e-mails dos seus funcionários e assinalar os que violam as políticas da empresa. Lincolm é a pessoa por detrás das reprimendas dos seus colegas por e-mails que quebram as regras, que trabalha de noite e quase ninguém conhece. Aborrecido por um trabalho que não se identifica acaba por se envolver na troca de e-mail de duas colegas, Beth e Jennifer, que não conhece. A história evolui e ele acaba por se apaixonar por Beth sem saber quem ela é, apenas pelos seus e-mails.

 

A história é ternurenta e divertida. Os e-mails entre a Beth e a Jennifer soam tal e qual como a conversa que se tem com a melhor amiga numa pausa para café. O Lincolm é também uma personagem interessante, pois apesar de se sentir socialmente inapto, vai a pouco e pouco ultrapassando aquilo que o prende e á uma evolução muito positiva sua ao longo da história. As histórias paralelas são também muito interessantes, as personagens secundárias têm densidade e as suas próprias histórias para contar. Eu gostei muito do livro, li-o num ápice. Apenas não tem cinco estrelas porque não consegui desligar o botão da realidade... ou seja, na vida real o Lincolm seria ligeiramente assustador e algo ao nível de um stalker de e-mails e sei que detestaria que alguém "seguisse" assim a minha vida pessoal, se eu fosse a Jennifer ou a Beth. I know, elas sabiam que alguém poderia ler os e-mails delas e que havia controlo disso, mas o que é romântico num livro pode ser estranho e desconfortável na vida real. Outra coisa que não me encaixou muito bem neste livro é o facto de inicialmente (e pela reação de outras personagens) o Lincolm parecer um rapaz comum e até talvez feio(?) mas depois mais à frente a Beth e a Jennifer descreverem no como giro e bom, quase um adónis. É estranho e não sei se me convenceu.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:50

O café do amor

07.12.18

O Café do Amor

Um bom titulo alternativo para este aqui seria algo como "personagens traumatizadas que tentam ultrapassar os seu problemas com ajuda de uma fada madrinha culinária que mora nas montanhas".

 

Cathryn Deen era uma das mulheres mais bonitas, desejadas e famosas do mundo. Até o dia que um acidente a deixa desfigurada e a vida como conhecia cessou de existir. Acaba por, a convite de uma prima perdida chamada Delta que foi das poucas pessoas que a ajudou no período mais negro da sua vida, regressar a casa da sua avó, uma casa perdida nas montanhas, sem luz, água, etc. Uma ex-estrela nesta situação é sempre algo entre o dramático e o cómico. Thomas é um ex-arquiteto que passa mais tempo alcoolizado que sóbrio e que também foi "adotado" por Delta. Juntos, Cathryn e Thomas vão desenvolver uma relação onde tentam ultrapassar os seus traumas, com uma miríade de outras personagens secundárias.

 

A história não é demasiado centrada no romance de Cathryn e Thomas, o que foi ótimo. E também não foi daquelas de apaixono-me e miraculosamente todos os meus traumas e problemas ficam resolvidos. Delta é uma personagem muito querida e que é a cola que une todas as outras personagens, que no momento certo irão salva-la também. Gostei do senso de comunidade criado pelas personagens daquela cidadela perdida nas montanhas, do romance mais ou menos lento e de umas meninas que aparecem a meio da história. Esta é na realidade uma história com histórias dentro e todas são interessantes.

 

Acaba por não ter a nota máxima porque houve algumas partes monótonas ou demasiado descritivas. Também senti algumas vezes que a Cathryn e o Thomas andavam em círculos, com algumas situações repetitivas. Claro que isto tudo não lhe tira o mérito de ser um livro sobre superação interessante.

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:56

Uma Noite para se Render (Spindle Cove, #1)

Em vez de uma casa que é um refúgio para mulheres desta vez temos uma aldeia em que toda ela é um refúgio para mulheres. No próximo espero encontrar num mínimo, um país! 

 

Spindle Cove é uma aldeia perdida para onde jovens mulheres são enviadas por terem sido ou inconvenientes, ou doentes, ou alvo de escândalo, pois é uma zona com muitos poucos homens. Susanna Finch é uma espécie de líder da comunidade e quer ajudar todas estas mulheres a recuperarem a sua auto estima livres dos grilhões da sociedade da época. Bramwell é um tenente-coronel que sofreu um ferimento e para voltar à guerra tem de formar uma melicia perto de Spindle Cove. As tentativas de encontrar homens numa zona tão "feminina" são frustrantes e acaba por se instalar uma pequena guerrilha entre ele e Susanna.

 

Ao inicio custou muito entrar no livro. Achei a narrativa perdida e pouco cativante, mas lá a mais de meio a coisa torna-se interessante, toda a questão de homens versus mulheres ganha outra dimensão e começo a sentir um carinho pela história, apesar dos protagonistas não serem nada de especial todas as outras personagens acabam por trazer algum brilho e algumas gargalhadas. Mas estive mais que uma vez tentada a desistir deste aqui, penso que a autora já escreveu livros melhores.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:04

10 Segredos para Ser Seduzida por um Lorde  (Love By Numbers, #2)

Quando li a sinopse deste aqui pensei...onde eu já vi isto: senhoras criam refugio para fugir de passados trágicos... pois, numa série da Madeline Hunter, conhecida por Wallflowers. Há algumas nuances claro, esta versão é mais "ilegal" e mais perigosa para elas.

 

Isabel é filha de um conde que gastou todo o dinheiro no jogo e concedeu a sua mão em diversos jogos de azar. Por sorte, ela conseguiu expulsar sempre os seus "noivos". Com a morte do pai, ela fica com um irmão conde de apenas dez anos e uma casa cheia de mulheres escondidas que se disfarçam de homens. Nicholas é eleito por uma revista um dos solteiros mais elegíveis. Quando uma amigo lhe pede para encontrar a irmã que desapareceu ele aproveita a oportunidade para sair de Londres e das mulheres que se atiram a seus pés. A pista leva-o até Isabel e os dois acabam por se envolver num jogo perigoso que pode denunciar e destruir o segredo de Isabel.

 

Dito isto tudo, a história é fofinha, um pouco parecida com outras como mencionei no inicio, embora a parte de ter um mordomo, um jardineiro, um cavalariço em que todos são mulheres disfarçados dá uma dinâmica mais divertida a história. O casal principal é ok, não senti nenhuma empatia especial, mas também não foram desagradáveis. A história não tem o melhor ritmo do mundo, mas quando se está doente e não se pode sair de casa, acaba por ir andando e para o final fica mais interessante.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

 A Indomável Miss Bridgerton (Rokesbys, #1)

Para fazer a ponte entre uma das suas mais queridas séries literárias e uma mais recente, Julia Quinn decidiu recuar no passado e contar a história de Billie que seria tia dos Brigertons da série original.

 

A família de Billie sempre se deu tão bem com os vizinhos, os Rokesby que eles praticamente se consideram uma só família. E apesar de ter vivido aventuras incríveis com Edward, Andrew e Mary, sempre teve discussões incríveis com George, o mais velho, que por ser o herdeiro cedo aprendeu que vive num mundo à parte. Já adultos, Billie lida com o facto de ser uma herdeira com o género errado e George com a frustração de não poder ser militar como os irmãos. Quando se juntam, discutam, até que um dia se beijam e afinal as coisas mudam.

 

Este livro tem aquele sentido de humor perverso que a autora já nos habituou, com cenas cómicas, outras comoventes mas uma história fofa. Não é tão bom como a série original, mas não deixa de arrancar uns sorrisos e umas lágrimas e consegue manter vivo aquele espírito familiar que tornou a autora famosa. Gostei da Billie e gostei do George (eu e a crush por personagens mais sérios), acho que fazem um casal que se equilibra muito bem por serem tão diferentes mas ao mesmo tempo iguais. Pelo contrário o Andrew irritou-me um bocadinho.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32

The Bourbon Kings (The Bourbon Kings, #1)

Ás vezes as histórias sobre dinastias familiares são interessante e cheias de "roupa suja". Outras vezes simplesmente não me cativam. Este aqui pertence aos segundos. Acompanha a saga de uma família despedaçada, dona de um império de bourbon. Lane, o rico tem uma relação com a jardineira, Lizzie, que não acaba bem (ele acaba casado com outra). Alguns anos depois voltam a reencontra-se. Ao mesmo tempo acompanha também os dramas da família de Lane.

 

A história é plana, sem uma escrita apelativa e com personagens sem densidade. Não senti qualquer química entre os protagonistas, irritam-me protagonistas riquinhos que preferem fugir dos problemas e por volta do capitulo treze achei que tinha melhores coisas para fazer com o meu tempo. E é isto.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:31

Crazy Rich Asians (Crazy Rich Asians, #1)

Eu não conheço ninguém de origem asiática, mas conheço alguns clichés culturais a eles associados: a obsessão com as boas notas, a carreira profissional e o dinheiro. Crazy Rich Asians acompanha várias personagens da mesma família, ricas, em que umas exibem a riqueza e outras são forretas. No meio disto tudo está Rachel, uma chinesa/americana que vai com o namorado, Nicholas, conhecer a família dele. O que ela não sabia é que a família e os amigos dele vivem num meio opulente e são todos completamente doidos e que ela está abaixo do nível deles.

 

Este livro é qualquer coisa. A família de Nicholas é enorme e confesso que mesmo no final do livro ainda não sabia bem quem era filho de quem. Ao mesmo tempo em que assistimos a uma parada de roupa e carros de luxo, tentativas de se ser famoso e o casamento do ano, percebemos também porque Nicholas vive nos EUA e nunca falou à namorada da família. Rachel é uma mulher moderna que ao inicio se deslumbra, mas depressa percebe que não a querem lá, em vez de se deixar levar pelo tão comum nestes livros de "ele é rico, vamos fazer coisas de ricos e viver felizes para sempre". Astrid também foi uma personagem que gostei de conhecer e parece que tem uma história interessante para contar. Ela é prima de Nicholas e considerada bonita e com muito estilo. Mas algo se passa no seu casamento.

 

No fim deste livro ri-me muito, mas ao mesmo tempo também fiquei chocada com os clichés. Gostei da Rachel e do Nicholas e queria saber para onde vai a história deles a seguir. Talvez um dia leia a continuação.

 

Classificação: Ficheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svgFicheiro:Star Ouro.svg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:29



Disclaimer

Todas as imagens de livros publicadas são retiradas do site das editoras ou dos próprios autores. A imagem de fundo pode ser encontrada aqui.

Classificação

Nem consegui terminar
Não gostei
Ok
Bom
Amei

Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D


subscrever feeds


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.